quarta-feira, 12 de julho de 2017

Os Valentes de Guerra


"Preparai a guerra, suscitai os valentes. Cheguem-se todos os homens de guerra, subam eles todos." (Jl 3:9.)

O homem de Deus deve treinar a sua capacidade de depender do Senhor em tudo, permitindo que a sua alma seja próspera. A Bíblia diz que assim como pensa o homem, assim é a sua alma (Pv 23:7).
Gideão tinha um exército numeroso, mas não foi à maioria que venceu o adversário; foram vencedores apenas os valentes, os que creram e obedeceram. Se a maioria tivesse acreditado em Gideão ele conquistaria muito mais, porém o Senhor ungiu trezentos valentes que conquistaram poderosamente os midianitas. "Disse ainda o Senhor a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam a água vos livrarei, e entregarei os midianitas na tua mão; mas, quanto ao resto do povo, volte cada um ao seu lugar." (Jz 7:7.)

Davi também tinha os seus valentes em sua equipe; homens de guerra, adestrados para tomar cidades e fortalezas (1 Cr 11:10-12). Hoje Deus convoca os Seus valentes, não mais para uma guerra física, pois a nossa luta não é contra carne e o sangue, mas contra principados e potestades, contra as hostes espirituais da maldade deste mundo tenebroso (Ef 6:12).

Nos valentes de Deus, duas coisas são fundamentais:

1.         SER UM HOMEM DE CARÁTER IRREPREENSÍVEL

Para alguém ter um bom caráter, não precisa necessariamente ser crente. Existem muitas pessoas que não são crentes, mas têm uma vida digna, desempenham com excelência sua função no lar, são amigos, honram seus compromissos, cumprem suas obrigações sociais, etc. Porém, não são crentes! Neles detectamos um comportamento de homem sadiamente instruído; são valentes seculares, aos quais Deus, por ser justo, derrama bênçãos, pois eles guardam princípios. "Porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos." (Mt 5:45.)

Porém, se você é um filho de Deus, obrigatoriamente deve ter um caráter irrepreensível, uma vida de modelo e de testemunho, uma conduta da qual nem homens, nem o adversário da sua alma tenham como acusá-lo. "A noite é passada, e o dia é chegado; rejeitemos, pois, das obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. Andemos honesta¬mente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em orgias e dissoluções, não em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências." (Rm  13:12-14.)

Nascemos de novo. Temos hoje, dentro de nós, a natureza de Deus. "Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (2 Co 5:17.) Devemos ser exemplo e refletir a imagem de Deus em nossa vida.
E de suma importância que cada membro da Igreja de Jesus esteja consciente do seu papel, e viva como um verdadeiro homem de Deus, sabendo que, para nos mantermos íntegros, apenas duas coisas nos ajudarão: uma boa formação de conduta ética e o temor do Senhor em nosso coração. "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria." (Pv 9:10.)

2.         SER UM HOMEM SANTO

A Bíblia nos instrui: "Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor" (Hb 12:14). Sabemos que só podemos ser santos se tivermos, de fato, nascido de novo, recebendo a natureza do Pai. "Como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento." (1 Pe 1:15.) A santidade nos dá maior convicção de que não somos mais deste mundo; estamos aqui, mas não somos daqui (Jo 17:16). Porém, o que nos levará a uma consciência mais profunda, como um valente de Deus, é a viva compreensão de que somos um vaso de santidade e honra. "Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra." (2 Tm 2:21.)

Nós estamos vivendo um momento ímpar de conquistarmos um território, e faremos isso sem nos contaminarmos com o banquete de Nabucodonosor (Dn 1:8). Deus escreverá a sentença contra o adversário e nós estaremos vivendo a vitória. "Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus; e o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem a outros. Sofre co¬migo como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum solda¬do em serviço se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra." (2 Tm 2:1-4.)

Nossa conquista como Valentes de Deus somente acontecerá se preservamos a santidade. Duas coisas nos levarão à santidade: a primeira é submetermo-nos às promessas de Deus e à Sua Palavra, vivermos por ela. "Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade." (Jo 17:17.) A segunda é: obedecermos para prosperar. "Ouvi-me, ó Judá e vós moradores de Jerusalém! Crede no Senhor, e estareis seguros; crede nos profetas e prosperareis." (2 Cr 20:20.) Assim é o valente de Deus: submete-se à Palavra e é completamente firmado nela.

Gostaria de elucidar algumas características de um valente de Deus, tomando como exemplo o Rei Davi, um homem usado por Deus para restaurar Jerusalém.

HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS

Davi resolveu ser um homem segundo o coração de Deus. Ele foi provado, mas o Senhor o aprovou e lhe entregou os reinos da terra. Tornou-se um valente valoroso, conquistou todos os seus territórios.
Hoje, muitas pessoas querem conquistar interessados no fortalecimento do seu reino particular, esquecendo-se dos compromissos firmados, não andando na luz, estando fora do conselho do justo, contaminando-se com feitiçarias que são abomináveis aos olhos do Senhor. Porém, Deus levantará homens, nessa geração, segundo o Seu coração, para conduzir o nosso povo com um cajado seguro.

HOMEM SEGUNDO O PROPÓSITO DE DEUS

"Conduziu-me para um lugar espaçoso; livrou-me, por¬que tinha prazer em mim." (2 Sm 22:20.) O propósito de Deus se cumprirá, ainda que alguns não concordem. Deus é soberano o suficiente, em todas as coisas, para mover o quê e quem ele quiser; Ele pode mover o coração do rei tanto para a direita, quanto para a esquerda; Ele pode transformar maldição em bênção e extrair das trevas a luz. "Disse Daniel: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque são dele a sabedoria e a força. Ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; é ele quem dá a sabedoria aos sábios e o entendimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz." (Dn 2:20-22.)

HOMEM SEGUNDO A VONTADE INTEGRAL DO SENHOR

Deus deu a Davi a capacidade de escolha. Ele poderia ser um rei que legislasse em causa própria. No entanto, Deus ministrou ao seu coração uma consciência profunda de ser exatamente o que Ele queria que Davi fosse. Hoje, dentro da história secular e hebraica, Davi é considerado um dos reis mais bem-sucedidos de todos os tempos e o seu nome é sinônimo de adorador e restaurador.
O ofício de administrar não é fácil, pois não é preferência, é vocação. Se não houver vocação, vem a corrupção. Davi fez a vontade integral do Senhor; tornou-se um valente de Deus, e nessa consciência política monárquica fez o resgate do povo, dos reinos e do crédito profético (SI 18:17,18,43,50).

Nessa consciência, como um valente de Deus, Davi recebeu a unção de restauração, e tudo aquilo que estava quebrado no seu reino foi restaurado: a família, o reino, a adoração, a consciência política para sair do reino da guerra e entrar no reino da paz.

O reino de Davi foi de guerra; o reino de Salomão, de paz entre os povos. O nosso desejo é que o Senhor nos faça valentes para termos grandes conquistas no plano espiritual e vencermos todas as forças opositoras das regiões celestiais. Como valentes de Deus, vamos caminhar com uma mão na obra e outra na arma. "Os que estavam edificando o muro, e os carregadores que levavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a sua arma." (Ne 4:17.) 

E tempo de tomarmos a nossa arma, a espada, que é a Palavra de Deus confessada com convicção. Se estivermos convencidos, convenceremos. É melhor obedecer do que sacrificar (1 Sm 15:22). O nosso povo está há décadas debaixo de um jugo. Se você respeita a si mesmo, a sua família e a sua geração, busque a Deus para que Ele fale ao seu coração. Todas essas características, que estão na Palavra, apontam para que você saiba que o Senhor vai realizar muito mais do que o que pedimos e pensamos quando somos os valentes de Deus (Ef 3:20).

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Chuva Sobre a Terra Seca


TEXTO: Isaias: 44: 3, 4  /  55: 10, 11

O profeta Isaías, filho de Amoz profetizou durante os reinados de Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias, sendo contemporâneo à destruição de Samaria pela Assíria e à resistência de Jerusalém ao cerco das tropas de Senaqueribe que sitiou a cidade com um exército de 185 mil assírios. Este livro esta repleto de profecias e revelações acerca do juízo, redenção, vinda do Messias, e Salvação. O significado do nome Isaías é “Salvação do Senhor” O profeta Isaías profetizou muito acerca de um homem que viria para salvar a humanidade, e tirar o pecado do mundo.

Para melhor entendermos voltaremos um pouquinho. Isaias: 1: 2 ao 5, e 30

A profecia de Isaías apresenta duas partes distintas. Do capítulo 1 até ao 39, o foco está principalmente no juízo de Deus que paira sobre Judá e Jerusalém, e também sobre as nações vizinhas, como a Babilônia. Em todas essas mensagens, Isaías relembrava o povo de que o livramento estava disponível na mão soberana de Deus. A primeira metade termina com um relato detalhado da oração de Ezequias para que Deus santificasse Seu nome, que o assírio Senaqueribe estava depreciando, e para que Deus desse livramento aos israelitas, destruindo o exército da Assíria. A despeito de ter Deus respondido a esta oração com um livramento miraculoso, Judá continuou a se rebelar contra Ele, trazendo com isso sua própria queda.

E Isaías continua do Cap: 28 ao 31 dizendo Ai de ti Efraim, Ai da cidade de Davi, Ai da nação obstinada, Ai dos que descem ao Egito. E por causa do pecado Israel estava como uma terra seca, quantas vezes por causa do pecado ficamos como uma terra seca. Abaixo segue algumas especificações de uma terra seca......

1. TERRA SECA semente não germina em terra seca. Assim muita das vezes esta o coração!

2.TERRA SECA não tem valor; ninguém valoriza. Para o mundo, o homem que não produz não tem valor. (Mateus: 13: 1 ao 9) 1.

3. TERRA SECA sofre abandono e torna-se um deserto. Deus quer que do seu interior flua rio de águas viva. João: 7: 38

4. TERRA SECA devido à falta de água rompe-se em fendas ou brechas. Deus deseja fechar todas as brechas que há em sua vida.

5. TERRA SECA pouca água não resolve, desaparece nas fendas ou nas brechas.

6. TERRA SECA só se torna fértil com fartura de água. Existe um Deus disposto a derramar chuva sobre a sua vida.

7. TERRA SECA pode ser você, porém, Deus convidar você para inundar a tua alma com águas do Espírito Santo.

CONCLUSÃO: Salmo de Salomão: 72: 6.   /   Deuteronômio: 32: 2.

Que Deus vos abençoe, em nome de Jesus!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Os Quatro Tipos de Solo do Coração Humano


Nós vamos aprender, por meio deste texto sagrado, que Jesus comparou o coração a um campo ou terreno em que a semente é lançada; os frutos que a semente produzira dependera do tipo de solo que for o coração. Jesus falou do solo a beira do caminho, do solo rochoso, do solo cercado de espinhos e do solo fértil.

O Solo a beira do caminho
O solo a beira do caminho, representa um coração divido, que não esta inteiramente no caminho (MT 13.19). Em 1RS 18.21, o profeta Elias fez uma pergunta ao povo: “Ate quando coxeares entre dois pensamentos? Se o SENHOR é Deus, segui-o; e, se Baal, segui-o. Porem o povo lhe não respondeu nada”. Não podemos ter o coração dividido; precisamos servir inteiramente ao senhor.

De acordo com MC 10.46-52, o cego Bartimeu vivia a beira do caminho; entretanto, após ter um encontro com Jesus, e ter os seus olhos abertos, ele passou a seguir Jesus no caminho.

Em JO 14.6 Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao pai se não por mim”. Não podemos viver a margem do caminho; precisamos andar no próprio Caminho.
.
O Solo rochoso
O Solo rochoso ou pedregoso representa um coração endurecido. São pessoas que acreditam apenas em coisas superficiais, pois não a solo fértil para as raízes penetrarem (MT 13.20-21). De acordo com MT 13.15, Jesus encontrou um povo com o coração tão endurecido, que ele citou o cumprimento da profecia de Isaias, dizendo: ”Porque o coração dest5e povo esta endurecido, e ouviu de mal grado com seus ouvidos e fechou os olhos, para que não veja, e ouça com os ouvidos, e compreenda com o coração, e se converta, e eu o cure”.

De acordo com 1SM 25.37, Nabal era um homem muito rico;  porem, o seu coração era tão insensível para com as necessidades das pessoas que, ao final de sua vida , o seu coração ficou como pedra.

Em EZ 11.19-20, o senhor promete fazer um verdadeiro transplante espiritual no coração de pedra das pessoas, dizendo: “E lhe darei um mesmo coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei um coração de carne; para que andem no meus estatutos , e guardem os meus juízos , e os  executem ; e eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus”.

Solo cercado de espinhos
O Solo cercado de espinhos representa um coração sufocado pelas preocupações deste mundo (MT 13.22). Os espinhos tentam embaraçar as plantas, para que não cresçam e se desenvolvam. Em HB 12.1, o escritor sagrado afirma que devemos nos desembaraçar de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, correndo com perseverança a carreira que nos esta proposta.

Em 2TM 2.4, Paulo afirma que o cristão, como soldado que é, não deve viver embaraçado com os negócios desta vida.

Em LC 21.34, Jesus advertiu a todos nos, dizendo: ”E olhai por vos, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vos de improviso aquele dia”.

Solo fértil
O Solo fértil representa um coração preparado e sensível a palavra de Deus. Um coração que possui um solo fértil e um coração frutífero e abundante (MT 13.23). Um coração com solo fértil e aquele precioso campo cheio de lentinhas que Samá defendeu (2 SM  23.11-12 ).  Precisamos defender o nosso coração de todo ataque do inimigo.

No SL 119.11, o salmista disse: “Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar conterá ti”.

Em LC6. 45, Jesus disse que: “O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o mal, porque da abundancia do seu coração fala a boca”.  Que o senhor guarde o nosso coração, e que o nosso coração seja um deposito das bênçãos do senhor (FP 4.7).

Conclusão

Em PV 4.23, Salomão nos deu um sábio conselho, dizendo: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem às saídas da vida”.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

John Wesley e o Desafio de Escola Para as Crianças Pobres


ESCOLA PARA CRIANÇAS POBRES
Parte l

Em junho de 1739, Wesley se encarregou de resolver um problema que angustiava os moradores da região de Bristol. Não havia uma escola nas instalações das minas de Kingswood. Ele estava especialmente preocupado com aquelas crianças pobres que deviam não apenas aprender a ler, escrever e fazer contas, mas também conhecer Jesus Cristo e a Palavra de Deus. Ele, portanto, levou avante um plano que foi concebido primeiramente por Whitefield: construir uma escola perto de Two-Mile Hill, com um grande espaço para pregação, acomodação para dois professores, e um convite para estudantes de todas as idades, incluindo também pessoas já idosas.

Wesley construiu uma nova escola em Kingswood, fora de Bristol. Três semanas antes da reabertura da escola, no dia 24 de junho de 1748, a Conferência gastou bastante tempo estabelecendo as regras e o currículo da escola, que era destinada a instruir crianças “em todos os ramos do conhecimento útil”, desde o alfabeto até as qualificações apropriadas para o “trabalho do ministério”. A lista de matérias era impressionante: leitura, escrita, aritmética, francês, latim, grego, hebraico, álgebra, música. Para as aulas de inglês e cinco outras línguas, Wesley escreveu e publicou gramáticas. Começando na primeira classe com estudantes de seis a dez anos, o esquema incluía trabalho em línguas, as crianças traduziam e vertiam livros tais como Instruções para Crianças, e Praelectiones Pueriles. Na terceira classe os estudantes liam as Confissões de Santo Agostinho; na quarta, liam Cesar. A sétima classe era o nível máximo e nesse ponto esperava-se que repetissem a Ilíada de Homero, que fizessem versos em grego e lessem a Bíblia Hebraica. Wesley estava convencido que qualquer estudante que completasse o currículo de Kingswood seria um estudante melhor que noventa por cento dos graduados em Oxford e Cambridge.

A severidade do programa Journal se igualava em rigor com a disciplina acadêmica. Como tinha sido proposto originalmente, a rotina começava com orações particulares e cânticos, às 4 horas da manhã, e seguia através de várias matérias acadêmicas, práticas devocionais, refeições e a hora de dormir às 8 da noite. As manhãs e as tardes terminavam com um breve intervalo para “andar ou trabalhar”. A ausência de recreação era explicada simplesmente: “Aquele que brinca quando criança, brincará quando for homem”. O cardápio foi organizado cuidadosamente por Wesley incluindo o jejum na sexta-feira, que deveria ser observado até as três horas da tarde por todos que estivessem com saúde.

Parte ll

Na primeira metade do ano de 1768 os alunos da Escola Metodista de Kingswood passaram por importantes experiências. Uma carta, de 18 de maio e dirigida a John Wesley, informa sobre os acontecimentos. Diz: “A obra de Deus continua em Kingswood. Dos cento e trinta membros que se somaram à sociedade desde a última conferência, a maioria recebeu a fé justificadora e continua regozijando-se em Deus, seu Salvador. E o que é mais assombroso, não conheço nem uma só que tenha tido uma recaída. O derramamento do Espírito sobre as crianças do Colégio não tem sido excessivo. Creio que todos têm sido afetados, sem exceção, uns mais que outros. Doze deles encontraram a paz no Senhor e alguns de uma forma realmente extraordinária. Estes já não duvidam em absoluto do favor de Deus, como não duvidariam de sua própria existência. E o Senhor continua com eles, ainda não de uma forma tão poderosa como algumas semanas atrás”.

James Hindmarsh, um dos professores de Kingswood, também relatou à Wesley os acontecimentos extraordinários ocorrido na Escola. Diz ele:
“Na quarta-feira, dia 20 de abril de 1768, Deus se apresentou surpreendentemente diante de nossas crianças. Desde algum tempo temos notado uma preocupação séria em alguns deles. Mas nesta noite, enquanto estavam em suas dependências privadas, o poder de Deus se manifestou a eles como um grande vento que os fez clamar por misericórdia. Espero que esta noite, na qual vinte jovenzinhos experimentaram uma angústia suprema, não será jamais esquecida. Deus deu a paz a dois deles, J. Glascot e T. Maurice. Nunca vi tão grande manifestação do amor de Deus. Certamente eles se regozijaram com uma alegria indescritível. Não temos necessidade de exortar-lhes à oração, porque o espírito de oração inunda todo o colégio. Enquanto escrevo, os gritos de vários garotos, desde seus respectivos departamentos, ressoam em meus ouvidos. Desde que comecei a escrever, outros oito também foram liberados e se regozijam em Deus. São: John Coward, John Lyon, John Maddern, John Boddily, John Turgar, Charles Brown, William Higham e Robert Hindmarsh. Suas idades são de oito a catorze anos. São poucos os que resistem à obra e é provável que não consigam agüentar por muito tempo. Isto porque as orações dos que crêem parecem vencer todos os obstáculos. Também parece crescer em grande medida a obra de Deus entre os mineiros de carvão.


Eu já havia encerrado esta carta, mas continuo escrevendo para informar-lhe que mais dois de nossos meninos encontraram a paz e outros estão experimentando uma profunda convicção do pecado. Alguns de nossos amigos de Bristol estão aqui e ficaram estupefatos diante destes acontecimentos. Este é o dia que tanto desejamos ver, o dia que você vislumbrava e pelo qual suportou tanta oposição pelo bem destes pobres meninos”.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O Amor Pela Família


“...melhor é o teu amor do que o vinho... Cantares: 4: 10”

A família é uma das credenciais com grande importância que o cristão em geral tem para mostrar. É claro que existem outras credenciais que precisam fazer parte da vida de um cristão tais como: nascer de novo, integridade, lealdade, aliança, amor, verdade e etc...

Cuide daquilo que Deus te entregou, sua preciosa família, ame-a, lidere-a com carinho, seja atencioso com sua esposa e filhos, de igual modo, a mulher cristã seja uma companheira idônea ao lado do seu esposo.  “Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente. 1Timóteo: 5: 8”. Meu conselho no Senhor é que nunca o seu ministério poderá ser mais importante que o seu lar.

O autor de diversos livros evangélicos Derek Prince diz: “Nenhum sucesso na vida compensa o fracasso no lar” Temos entendido que no reino do Senhor Jesus, existe uma ordem de prioridade, e quando a observamos desfrutamos o melhor de Deus para a família.

Procure colocar a seguinte ordem de prioridades: em primeiro lugar: Deus, segundo lugar: a família, terceiro lugar: a igreja e ministério. “e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina com todo o respeito. 1Timóteo: 3: 4”. É de responsabilidade de o marido cuidar da vida espiritual da família “Esposa e Filhos” e suprir suas necessidades. Aonde você chegar com certeza uma credencial importante vai fazer a diferença: A sua vida familiar. Ame a sua esposa, ame os seus filhos, ame o seu lar.


O que você tem de mais importante e precioso é a sua família, um projeto de Deus entregue em suas mãos. O desejo do meu coração é que Deus abençoe você e sua família. Que Deus te abençoe!

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Produzindo o Fruto do Espírito


Ser batizado no Espírito Santo é estar em comunhão com Deus e andar segundo a sua vontade, o Espírito Santo habilitando em nosso corpo nos leva a um maior nível de santidade. Desta maneira é impossível ser batizado no Espírito Santo e levar uma vida de pecado e relaxamento espiritual, a bíblia nos ensina que os frutos classificam a árvore, vejamos:
Mateus: 7: 15 ao 20. Acautelai-vos quanto aos falsos profetas. Eles se aproximam de vós disfarçados de ovelhas, mas no seu íntimo são como lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. É possível alguém colher uvas de um espinheiro ou figos das ervas daninhas? Assim sendo, toda árvore boa produz bons frutos, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim produzir bons frutos. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e atirada ao fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

Esta é a verdade bíblica, o Espírito que habita no crente leva-o a santidade pois este Espírito é o Espírito Santo, Ele luta contra a nossa carne:
Gálatas: 5: 16 ao 18. Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.

Por tanto precisamos viver uma vida digna do Senhor Jesus, produzindo frutos espirituais para glória de Deus. O apóstolo Paulo nos ensina claramente os tipos de frutos que devemos produzir quando estamos cheios de Deus. Vejamos:
Gálatas: 5: 22. Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

Caridade (Gr. Ágape) Amor, interesse e a busca do bem maior de outra pessoa sem nada querer em troca (Romanos: 5: 5 / 1Coríntios: 13 / Efésios: 5: 2 / Colossenses: 3: 14).

Gozo (Gr. Chara) Alegria baseada no amor, na graça, nas bênçãos, nas promessa e na presença de Deus a todos aqueles que recebem Jesus como Senhor de suas vidas (Salmos: 119: 16 / 2Coríntios: 6: 10 / 1Pedro: 1: 8 / Filipenses: 1: 4)

Paz (Gr. Eirene) Quietude de coração e mente, baseada na convicção de que tudo vai bem entre o crente e seu Pai celestial (Romanos: 15: 33 / Filipenses: 4: 7 / 1Tessalonicenses: 5: 23 / Hebreus: 13: 20)

Longanimidade (Gr. Makrothumia) Paciência e perseverança, ser tardio para irar-se ou para o desespero (Efésios: 4: 2 / 2Timóteo: 3: 10 / Hebreus: 12: 1)

Benignidade (Gr. Chrestotes) Amabilidade, ou seja, desejo de não querer magoar ninguém, nem lhe provocar dor ou tristeza (Efésios: 4: 32 / Colossenses: 3: 12 / 1Pedro: 2: 3)

Bondade (Gr. Agathosune) Zelo pela verdade e pela retidão, repulsa pelo mal; pode ser expressa em ato de bondade (Lucas: 7: 37 ao 50) ou na repreensão e na correção do mal (Mateus: 21: 12 e 13)

(Gr. Pistis) Lealdade, Fidelidade constante e inabalável a alguém com quem estamos unidos por promessa, compromisso, fidedignidade e honestidade (Mateus: 23: 23 / Romanos: 3: 3 / 1Timóteo: 6: 12 / 2Timóteo: 2: 2 / Tito: 2: 10)

Mansidão (Gr. Prautes) Moderação associada a força e a coragem, descreve alguém que pode irar-se com equilíbrio quando for necessário, e também humildemente submeter-se quando for preciso (2Timóteo: 2: 25 / 1Pedro: 3: 15; vejamos comparações entre os dois comportamentos de: Jesus em Mateus: 11: 29 com 23 / Paulo 2Coríntios: 10: 1 com 10: 4 ao 6 / Gálatas: 1: 9 / Moisés em Números: 12: 3 com Exôdo: 32: 19 e 20)

Temperança (Gr. Egkrateia) Domínio próprio, controle sobre os nossos próprios desejos e paixões, inclusive a fidelidade aos votos conjugais e a pureza (1Coríntios: 7: 9 / Tito: 1: 8 e 2: 5)

Estes são os frutos do Espírito Santo na vida daqueles que são realmente cheios do Espírito Santo. Paulo declara que não existe lei que nos empeça de viver desta maneira.


Produza frutos para glória de Deus. 

quarta-feira, 26 de abril de 2017

O Exército de Gafanhotos e seu Objetivo


O livro do profeta Joel um livro pequeno composto por três versículos, mais de suma importância, um livro profético escrito por um profeta pequeno de acordo com a bibliologia, mais que escreveu coisas grandes inspiradas por Deus. A mensagem de Joel possui um conteúdo espiritual tão profundo que influenciou mais pessoas do que a mensagem de outros profetas de maior expressão nas escrituras. Este livro de Joel é muito lembrado pelo povo de Deus, pelo menos por três grandes mensagens.

·         Um alerta em relação ao grande dia do senhor
·         Um chamado ao quebrantamento espiritual
·         Uma promessa do derramamento mundial do espírito

O profeta Joel também fala do poder destrutivo e devastador dos gafanhotos. O gafanhoto é símbolo de devastação econômica, o gafanhoto é classificado como um inseto saltador que se alimenta exclusivamente de vegetais. Onde pousa uma nuvem de gafanhotos tudo é devastado em poucas horas. O profeta Joel nos fala de quatro espécies de gafanhotos: a lagarta, o gafanhoto, a locusta, o pulgão, em outra versão bíblica (RA) Revista Atualizada, consta: o gafanhoto cortador, o gafanhoto migrador, o gafanhoto devorador, e o gafanhoto destruidor.

·         O gafanhoto cortador é o que se aloja na árvore e vai cortando os seus galhos.
·         O gafanhoto migrador é o que veio de outros lugares causando prejuízo.
·         O gafanhoto devorador é o come as folhas que ainda restaram.
·         O gafanhoto destruidor é o que devasta o pouco que sobrou.
Que o Senhor Jesus nos guarde desses terríveis gafanhotos que vem para nos deixar na miséria!

O exército que Deus enviou contra Israel tinha um objetivo, não era um exército com soldados fortemente armados, com guerreiros, com lanças, com flechas, com escudos e armaduras; era um exército de gafanhotos.
O povo de Israel tinha virado as costas para Deus, então Deus com sua infinita sabedoria enviou o exército de gafanhotos que devastou tudo que o aquele povo tinha, o povo agora esta sem nada e Deus chama Joel para tocar a trombeta do avivamento e colocar o povo de Israel para buscar e se voltar para Deus.

Joel 2: 15 ao17. Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene.
Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento.
Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; por que diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?

Ao lermos o capitulo 2 do livro de Joel, nós vamos descobrir que ele fala de dois tipos de trombeta: a trombeta que adverte o povo para vinda do Senhor (Jl: 2: 1), e a trombeta que convoca o povo para um ajuntamento espiritual (Jl: 2: 15). Podemos entender que, antes que soe o toque da trombeta do arrebatamento da igreja, Deus conclamará o seu povo ao avivamento. Acredito que o Senhor operara um grande avivamento mundial antes do arrebatamento da sua igreja.

·         O chamado para o avivamento

O senhor convoca o povo para um grande ajuntamento espiritual, acompanhado de jejum, oração e um profundo quebrantamento por parte de todas as pessoas. Este ajuntamento solene deve envolver crianças, jovens e anciões.
Em 2Cr. 7: 14, o Senhor nos da à receita do avivamento, dizendo: E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

O povo agora começa a se achegar a Deus e as coisas começam a mudar. Devemos atender ao chamado do Senhor para o avivamento, tanto pessoal como coletivo, e seguir a sua receita espiritual para o avivamento a qual consiste em: quebrantamento espiritual, humilhação na presença do Senhor, oração incessante, arrependimento sincero, conversão genuína e renovação do nosso amor para com o Senhor. E então podemos nos alegrar porque o Senhor restituiu os anos que foram consumido pelo gafanhoto, a locusta, o pulgão e a lagarta o grande exército que enviou contra o seu povo. (Jl: 2: 23 ao 25)


Que Deus te abençoe rica e poderosamente através desta palavra!