sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Dicas de C.H Spurgeon Para Preparação do Sermão


Charles Spurgeon é indiscutivelmente um dos maiores pregadores da história do cristianismo.
· Ele pregou mais de 600 sermões antes de completar 20 anos.
· A coleção de seus sermões preenche 63 volumes e mais de 20 milhões de palavras, tornando-se a maior coleção de livros por um único autor cristão.
· Ele falou uma vez para uma audiência de 23.654 pessoas sem o uso de um microfone ou sistema de som.
· Ele frequentemente pregava dez vezes por semana porque aceitava muitos convites para falar. 

Spurgeon era tão talentoso e influente que não é de admirar que ele ganhou o apelido de o "Príncipe dos Pregadores".

É seguro dizer que todos nós poderíamos aprender muito sobre a pregação de um pregador tão prolífico.

Então aqui estão 12 dicas  que Charles Spurgeon ensinou seus alunos:

1. A ORAÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERMÃO.

Nada o prepara para pregar mais que a oração.
"A oração o ajudará singularmente na entrega de seu sermão; De fato, isso irá poderosamente ajudar a você para pregar. Ninguém é tão capaz de pleitear com os homens como aqueles que foram lutar com Deus em seu nome. " 

2. INTRODUÇÃO

O início de seu sermão deve captar imediatamente nossa atenção.
"Eu prefiro fazer a introdução do meu sermão muito parecido com o do criador da cidade, que toca a campainha e grita: 'Oh, sim! Ah sim! Isto é para dar aviso, "apenas para deixar as pessoas saberem que ele tem notícias para eles, e quer que eles escutem. Para fazer isso, a introdução deve ter algo impressionante nela.

3. SERMÕES LONGOS SÃO RESULTADOS DE UM ESTUDO NÃO SUFICIENTE.

É preciso um nível mais elevado de preparação e disciplina para dizer menos.
"Brevdade é uma virtude ao alcance de todos nós; Não podemos perder a oportunidade de ganhar o crédito que ela traz. Se você me perguntar como você pode encurtar seus sermões, devo dizer, estude-os melhor. Gaste mais tempo no estudo que você pode precisar menos no púlpito. Estamos geralmente mais longo quando temos menos a dizer. " 

4. VARIE SUA VOZ

Ninguém quer ouvir um pregador monótono.
"Que pena que um homem que de seu coração ,entregasse doutrinas de indiscutível valor, na linguagem mais apropriada, devesse cometer suicídio ministerial tocando apenas uma corda, quando o Senhor lhe tivesse dado um instrumento de muitas cordas para brincar! Infelizmente! Para aquela voz melancólica, cantarolava e zunia como uma roda de moinho para o mesmo giro musical, se seu proprietário falou do céu ou inferno, vida eterna ou ira eterna. Poderia ser, por acidente, um pouco mais alto ou mais suave, de acordo com o comprimento da frase, mas seu tom era ainda o mesmo, um desperdício de som sombrio, um discurso  em que não havia nenhum relevo possível, nenhuma variedade , sem música, nada, a mesmice horrível. 

5. PRATICAR O QUE PREGA

Sua vida fora do púlpito ofusca sua mensagem nele.
"Todos nós ouvimos a história do homem que pregava tão bem e vivia tão mal, que quando ele estava no púlpito todo mundo dizia que nunca deveria voltar a sair, e quando ele estava fora, todos falavam que nunca deveria pregar novamente ... Não confiamos nas pessoas que têm dois rostos, nem os homens acreditam naqueles cujos testemunhos verbais e práticos são contraditórios. Ações, de acordo com o provérbio, falam mais alto que palavras, então uma vida doente vai efetivamente afogar a voz do ministério mais eloqüente. " 

6. ENUNCIADO

A comunicação clara começa com enunciação clara.
"Tome muito cuidado com as consoantes, enuncie cada uma delas claramente; São as características e expressão das palavras. Praticar infatigavelmente até que você dê a cada uma das consoantes seu devido valor; As vogais têm uma voz própria, e, portanto, eles podem falar por si mesmas. Em todos os outros assuntos exerça uma disciplina rígida até que tenha dominado a sua voz, e tê-la na mão como um cavalo bem treinado. " 

7. O SILÊNCIO É OURO

Uma pausa também pode prender o ouvinte com atenção.
"Sabe fazer uma pausa. Faça um ponto de interjeição excitando os parênteses do silêncio. O discurso é prata, mas o silêncio é ouro quando os ouvintes estão desatentos. 

 8. USE GESTOS NATURAIS

Seja você mesmo, não uma imitação barata de outra pessoa.
"Seu maneirismo deve ser sempre o seu, nunca deve ser uma mentira,a simulação da paixão, a simulação de emoção, ou a mímica do modo de entrega de outro homem.

9. APELAÇÃO AO AUTO-INTERESSE DOS POVOS

Abraçar o fato de que cada pessoa é o seu assunto favorito.
"Sugiro novamente que, para garantir a atenção através de um discurso, devemos fazer com que as pessoas sintam que têm interesse no que lhes estamos dizendo. Este é, na verdade, um ponto essencial, porque ninguém dorme enquanto ele espera ouvir algo a seu favor. Já ouvi falar de coisas muito estranhas, mas nunca ouvi falar de uma pessoa que vai dormir enquanto escuta uma mensagem que ele esperava ouvir, nem ouvi falar de um prisioneiro que vai dormir enquanto o juiz estava dando a sentença, E sua vida estava pendente em perigo. O auto-interesse desperta a atenção. Pregue sobre temas práticos , presentes, assuntos pessoais, e você vai conseguir uma audiência interessada." 

10. CONHEÇA HISTÓRIAS

Uma boa história atrai a atenção.
"Muitas vezes vi um pobre companheiro de pé no corredor do Templo. Por que, ele se parece com um pardal que entrou em uma igreja, e não pode sair novamente! Ele não consegue perceber que tipo de culto é;  Começa a contar quantas pessoas sentam na primeira fila na galeria, e todos os tipos de ideias passam por sua mente. Agora eu quero atrair sua atenção; Como vou fazer isso? Se eu citar um texto das Escrituras, ele pode não saber o que significa, e pode não estar interessado nela. Devo colocar um pouco de latim no sermão, ou citar o original hebraico ou grego do meu texto? Isso não serve para esse homem. O que devo fazer? Ah! Eu sei uma história que vai, eu acredito, despertar sua atenção."

11. PREGUE SOBRE CRISTO

Sempre preguem o simples evangelho.
"De tudo o que eu gostaria de dizer isto é o resumo; Meus irmãos, pregai Cristo, sempre e sempre. Ele é todo o evangelho. Sua pessoa, seus serviços e seu trabalho devem ser o nosso grande e abrangente tema. O mundo ainda precisa conhecer sobre seu Salvador e do caminho para alcançá-lo ... Não somos chamados a proclamar a filosofia e a metafísica, mas o simples evangelho. A queda do homem, a sua necessidade de um novo nascimento, o perdão através de uma expiação e salvação, como o resultado da fé, estes são o nosso machado de guerra e armas de guerra." 

12. CONVITE PARA  A AVALIAÇÃO

Mesmo os melhores pregadores deslizam em maus hábitos.
"Peça a um amigo que lhe diga suas falhas, ou melhor ainda, deem as boas-vindas a um inimigo que o vigiará atentamente e falará a verdade. Que bênção será para um homem sábio, que intolerável incômodo para um tolo! Corrija-se com diligência e frequência, ou você cairá em erros de surpresa, tons falsos crescerão, e hábitos desleixados formarão insensivelmente; Portanto, critique-se com cuidado incessante. 


sábado, 11 de novembro de 2017

Bibliologia (Bibliology)


BIBLIOLOGIA (BIBLIOLOGY)
Não podemos nos esquecer jamais, de que a bíblia é o Livro dos livros. A verdade de Deus escrita. O mapa do cristão, rumo aos céus. O maior tesouro de conhecimentos do mundo.
E o principal:
“A Bíblia não contém a palavra de Deus, ela é a Palavra de Deus! ”
Jesus disse em Mateus 24:35: “Os céus e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar”.
O pastor Claudionor de Andrade citando o grande teólogo Wayne Gruden, define a importância das escrituras assim:
A bíblia contém todas as palavras divinas que Deus quis dar ao seu povo em cada estágio da história da redenção e que hoje contém todas as palavras de Deus que precisamos para a salvação, para que, de maneira perfeita, nele possamos confiar e a ele obedecer.
(Andrade, Claudionor de. Teologia Sistemática Pentecostal, página 44, Rio de Janeiro, CPAD).

E de maneira brilhante o saudoso teólogo brasileiro Raimundo de Oliveira diz:
A existência das escrituras é a prova mais do que plausível dos esforços de Deus no sentido de aproximar o homem de seu meigo coração. O testemunho milenar das escrituras é que “Deus de dá a conhecer”.

A nossa crença na bondade de Deus há de nos conduzir, necessariamente, à compreensão de que através da sua palavra, Ele se revela pessoalmente àqueles que Ele criou.
Deus fez o homem capaz e desejoso de conhecer a realidade das coisas. Será que Ele ocultaria uma revelação que satisfizesse esse anelo? Pelo contrário. Diz o profeta de Deus: “conheçamos, prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva será a sua saída; e ele nos virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra”. A revelação de Deus é possível, é progressiva, é certa.

(Oliveira, Raimundo de. As Grandes Doutrinas da Bíblia, página 16, Rio de janeiro, CPAD).
Deus se revela a nós por intermédio de sua santíssima Palavra, a Bíblia, tendo em vista nossa salvação por meio da fé nela como a Palavra de Deus. Por essa razão todo ser humano nasce com o grande anseio de conhecer, e cada um busca esse conhecimento de uma maneira. Nós, servos e servas de Deus, buscamos na Bíblia sagrada.

Nesta apostila, iremos estudar a história da Bíblia, sua formação, sua inspiração, suas línguas originais, o cânon e suas respectivas traduções, baseados principalmente nas obras de dois dos autores que mais admiro, um brasileiro, o pastor Antonio Gilberto, e outro americano, o doutor Norman Geisler, as quais eu recomendo que todos adquiram.
Convido-te então, para mergulhar nesse oceano de conhecimentos, para glória de Deus. Vamos?!

INTRODUÇÃO À BÍBLIA

Etimologia do termo “Bíblia”
Bem, em primeiro lugar é necessário analisarmos a origem desse nome tão conhecido e utilizado por todos nós diariamente, então vejamos:
A etimologia da palavra bíblia é muito interessante, por nos remeter a Fenícia, tendo em vista que uma de suas cidades mais importantes era chamada exatamente de “biblos” (atual Gebal, cerca de quarenta quilômetros ao norte de Beirute). Biblos foi uma cidade muito conhecida na época por ser uma cidade comercial, onde se vendia de tudo um pouco, madeiras, perfumes, tecidos, couros e papiro. E é pelo fato de o papiro ser um dos produtos mais procurados no comércio, que aos poucos foi sendo chamada de biblos, em homenagem e referência a cidade com o mesmo nome.

Um rolo de papiro de tamanho pequeno era chamado "biblion" e vários destes eram uma "bíblia". Portanto, literalmente, a palavra bíblia quer dizer "coleção de livros pequenos". Com a invenção do papel, desapareceram os rolos, e a palavra biblos deu origem a "livro", como se vê em biblioteca, bibliografia, bibliófilo, etc.

Aproximadamente no ano 400 é que os escritores cristãos gregos começaram a chamar a Bíblia de “Os livros”, no plural indicando uma série de escritos da revelação divina. Mais tarde, no século XIII, o plural foi mudado para o singular, concordando com a concepção de que a Bíblia é uma expressão vocal de Deus.
A Bíblia também é conhecida por Escrituras, que é um termo usado no N.T. para os livros sagrados do A.T., que eram considerados inspirados por Deus. (2ª Tm. 3.16; Rm. 3.2). Este termo também é usado no N.T. com referência a outras porções do N.T. (2ª Pe. 3.16). A Bíblia também é conhecida por Palavra de Deus, este termo é usado em relação a ambos os testamentos em sua forma escrita (Mt 15.6; Jo. 10.35; Hb. 4.12).
Ora, se a Bíblia é a palavra de Deus escrita, então é de extrema importância para nós o estudo e o exame de todos os escritos que nela estão contidos.

Nas palavras do teólogo Antonio Gilberto no livro “A Bíblia através dos Séculos”, pág.9:
“A necessidade desse estudo é que, sendo a Bíblia um livro divino, veio a nós por canais humanos, tornando-se, assim, divino-humana, como também o é a Palavra Viva - Cristo -, que se tornou também divino-humano (Jo 1.1; Ap 19.13) ”. Pela Bíblia, Deus fala em linguagem humana, para que o homem possa entendê-lo. Por essa razão, a Bíblia faz alusão a tudo que é terreno e humano. Ela menciona países, montanhas, rios, desertos, mares, climas, solos, estradas, plantas, produtos, minérios, comércio, dinheiro, línguas, raças, usos, costumes, culturas, etc. Isto é, Deus, para fazer-se compreender, vestiu a Bíblia da nossa linguagem, bem como do nosso modo de pensar. Se Deus usasse sua linguagem, ninguém o entenderia. Ele, para revelar-se ao homem, adaptou a Bíblia ao modo humano de perceber as coisas. Destarte, o autor da Bíblia é Deus, mas os escritores foram homens. Na linguagem figurada dos Salmos e das diversas outras partes da Bíblia, Deus mesmo é descrito e age como se fosse homem. A Bíblia chega a esse ponto para que o homem compreenda melhor o que Deus lhe quer dizer. Isto também explica muitas dificuldades e aparentes contradições do texto bíblico.

Inúmeros fatores fazem da Bíblia um livro fantástico e maravilhoso. Sua formação é um destes fatores, cerca de 40 escritores em aproximadamente 1500 anos escreveram sob orientação do próprio Deus.

A Bíblia divide-se em duas partes principais: ANTIGO e NOVO TESTAMENTO, tendo ao todo 66 livros: sendo 39 no AT e 27 no NT. Estes 66 livros foram escritos num período de 15 séculos e tiveram cerca de 40 escritores. Aqui está um dos milagres da Bíblia.
Esses escritores pertenceram às mais variadas profissões e atividades, viveram e escreveram em países, regiões e continentes distantes uns dos outros, em épocas e condições diversas, entretanto, seus escritos formam uma harmonia perfeita. Isto prova que um só os dirigia no registro da revelação divina: Deus.

A divisão dos testamentos

A palavra testamento vem do termo grego "diatheke", e significa: a) Aliança ou concerto, e b) Testamento, isto é, um documento contendo a última vontade de alguém quanto à distribuição de seus bens, após sua morte. Esta é a palavra empregada no Novo Testamento, como por exemplo em Lucas 22.20. No Antigo Testamento, a palavra usada é "berith" que significa apenas concerto. O duplo sentido do termo grego nos mostra que a morte do testador (Cristo) ratificou ou selou a Nova Aliança, garantindo-nos toda a herança com Cristo (Rm 8.17; Hb 9.15-17).

O Antigo Testamento

Tem 39 livros, e foi escrito originalmente em hebraico, com exceção de pequenos trechos que o foram em aramaico. O aramaico foi a língua que Israel trouxe do seu exílio babilônico. Há também algumas palavras persas. Seus 39 livros estão classificados em 4 grupos, conforme os assuntos a que pertencem: LEI, HISTÓRIA, POESIA, PROFECIA. O grupo ou classe poesia também é conhecido por devocional.

Os livros por cada grupo.
a. LEI. São 5 livros: Gênesis a Deuteronômio.
b. HISTÓRIA. São 12 livros: de Josué a Ester.
c. POESIA. São 5 livros: de Jó a Cantares de Salomão
d. PROFECIA. São 17 livros: de Isaías a Malaquias. Estão subdivididos em:
• Profetas Maiores: Isaías a Daniel (5 livros).
• Profetas Menores: Oséias a Malaquias (12 livros). 
................

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A Obra-Prima de Deus


Esse texto sagrado revela o momento especial em que Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida. O homem é a obra-prima de Deus. O homem não é um produto da evolução, e sim a coroa da criação divina, criado para glória de Deus.

FORMADO DO PÓ DA TERRA 
Deus escolheu o pó da terra como matéria prima para formar o homem (Gn 2.7). Sendo feito do pó da terra, o homem não tem do que se gloriar, a não ser no Senhor que o criou. 
Jeremias 9.23,24 - Assim diz o Senhor: "Não se glorie o sábio em sua sabedoria nem o forte em sua força nem o rico em sua riqueza, mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em compreender-me e conhecer-me, pois eu sou o Senhor, e ajo com lealdade, com justiça e com retidão sobre a terra, pois é dessas coisas que me agrado", declara o Senhor.

Em Gn 18.27 - Abraão, o nosso pai na fé foi o primeiro homem a reconhecer que é pó e cinza, dizendo: "Eis que, agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou pó e cinza".

A vantagem de ser formado por Deus do pó da terra é que o Senhor "conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó" (Sl 103.14); e por isso, pode compadecer-se de nós, assim "como um pai se compadece de seus filhos" (Sl 103.13). 

No Salmo 103.7-8, o salmista afirma que Deus "levanta do pó o pequeno e, do monturo, ergue o necessitado, para o fazer assentar com os príncipes, sim, com os príncipes do seu povo".  

Em Is 64.8 - O profeta escreveu, dizendo: "Mas agora, ó Senhor, tu és o nosso pai; nós o barro, e tu o nosso oleiro; e todos nós obras das suas mãos". Mesmo o homem tendo sido feito do pó da terra, Deus amou de maneira tão grande e inexplicável o ser humano (Jo 3.16), que nos confiou um grande "tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós" (2Co 4.7).

CONCLUSÃO
Segundo os estudiosos, existem mais de 300 espécies de barro. entretanto, Deus fez o homem de um barro especial, de modo que o Oleiro divino pode manuseá-lo bem e refazer novamente o vaso que foi quebrado pelo pecado, criando um "novo homem"  (Ef 4.24), uma "nova criatura" (2Co 5.17).

domingo, 5 de novembro de 2017

Deus Procura Voluntários Para Sua Obra



UMA INTRODUÇÃO AO LIVRO DE NEEMIAS 

O livro de Neemias nos revela a importância daqueles que se dispõem voluntariamente a fazer a obra do senhor. Na Bíblia, está registrada a chamada extraordinária de homens como Abraão, Moisés, Samuel Davi, Isaías, Paulo e tantos outros grandes personagens bíblicos. 

Abraão precisou ouvir a voz audível de Deus para obedecer á chamada (Gn 12.1 ao 3); Moisés precisou da visão da sarça ardente (Êx 3.1 ao 14); Samuel precisou da insistência de Deus em chamá-lo por diversas vezes (1Sm 3.1 ao 10); Davi precisou da unção especial com óleo (1Sm 16.13 / Sl 89. 20); Isaías precisou ter os seus lábios tocados pela brasa viva tirada do altar divino, para ser purificado (Is 6.1 ao 8); e Paulo precisou cair por terra diante do brilho pessoal da presença do Cristo ressurreto, para obedecer à sua irresistível chamada (At 9.1 ao 6). Neemias, porém, não precisou de nenhuma visão ou revelação especial de Deus para fazer a sua obra (Ne 1.1 ao 11). A visão que Neemias teve foi a da real situação de miséria de seu povo e a da cidade dos seus antepassados, em ruínas. Isso nos mostra que não precisamos ter uma revelação especial para fazer algo que os nossos próprios olhos estão vendo que é necessário.

Neemias se dispôs a fazer a obra de Deus a partir da informação obtida de seu irmão Hanani acerca da situação real de Jerusalém. Da mesma forma, é impossível cruzarmos os nossos braços diante de tantos desafios missionários que os nossos próprios olhos veem e dos relatórios que ouvimos sobre a situação real da obra de Deus em diversas nações da terra.

Neemias se apresentou de forma voluntária ao senhor da obra e usou a influência de sua posição como copeiro do imperador daquela época, para obter os favores do rei da Pérsia em benefício da obra de Deus em jerusalém (Ne 2.1 ao 20). Ao encontrar os opositores à obra, Neemias calou a boca deles, dizendo: "O Deus dos céus é o que nos fará prosperar". (Ne 2.20). Quando os adversários se levantaram para tentar fazer Neemias parar ele lhes respondeu com essa palavra adequada: "Estou fazendo uma grande obra". (Ne 6. 3) Essa é a melhor resposta que podemos dar aos nossos inimigos: "Estou fazendo uma grande obra e não posso parar".

Os grandes estrategistas de guerra dizem o seguinte: "Mantenha os seus opositores distraídos e ganhe a guerra". Os inimigos de Neemias tentaram utilizar esta estratégia contra ele, porem Neemias estava muito concentrado e vigilante naquilo que estava fazendo e não deu nenhuma brecha para os seus inimigos! 

Faça a obra de Deus com alegria! "Porque a alegria do senhor é a nossa força" (Ne 8. 10)

sábado, 28 de outubro de 2017

Vi a Deus Face a Face


Gênesis 32. 30 - Jacó chamou àquele lugar Peniel, pois disse: "Vi a Deus face a face e, todavia, minha vida foi poupada".

Peniel é um lugar de encontro com Deus, o lugar de ver Deus face a face.
Jacó esteve em Peniel e toda a sua vida foi mudada, o seu nome também foi mudado de Jacó para Israel. Seu caráter foi mudado, seu nome de fato significava usurpador, enganador, mau caráter. Jacó sentiu profunda dor nesse lugar, mais foi transformado e recebeu uma nova identidade. 2 Corintios 5. 17 - Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

O que aconteceu em Peniel:

UM CONFRONTO PARA TRANSFORMAÇÃO
Quando eu peco, abro uma porta de legalidade para satanás entrar na minha vida, então satanás entra com seu proposito de destruir o ser humano. (Jo 10. 10)

Todo confronto quando há arrependimento genuíno, gera transformação, cura e libertação.
Em Peniel somos confrontados com os princípios divinos que um dia nós quebramos, em Peniel avaliamos a nossa vida como deus avalia e isso causa transformação. 

Não há nada mais poderoso do que uma mente transformada! (Romanos 12. 2) 
Você pode mudar tudo: seu cabelo, sua roupa, seu endereço, seu companheiro (a), sua igreja, seu corpo, seus amigos, até mesmo seu país… mas se não mudar sua mente e seu jeito de pensar, nada interno mudará apenas o externo! A atitude tem que ser transformada e isso acontece de dentro pra fora!

CONDUZIDOS AO ARREPENDIMENTO
Diante da realidade dos nossos pecados, não podemos nos arrepender pela metade.
Não podemos pensar que o sangue de Jesus é algo que usamos ou fazemos sem responsabilidade. (Jo 1. 7 / Hb 6. 4 ao 6) 

Precisamos ser genuínos e sinceros diante do arrependimento. (1 Jo 1. 8 ao 10) 
Nós jamais enganaremos a Deus. (Sl 139)

Arrependimento sem dor não é arrependimento, precisamos sentir a dor pelo pecado que cometemos. Quando o pecado é lembrado com dor, há cura.

Arrepender-se é reconhecer o erro e decidir nunca mais comete-lo. (Sl 51. 2 ao 7)
Quando andamos na contra mão do mundo, renunciamos o pecado, arrancamos os argumentos do diabo. (Cl 2. 12 ao 15) 

DESMASCARADO DIANTE DE ALGUMAS MENTIRAS NAS QUAIS VIVEMOS 
1° Você tem mentido? (Ef 4. 25 / Zc 8. 12 ao 15) 
2° Tem contado piadas indecentes? (1Co 15. 33 / Pv 26. 18, 19) 
3° Tem omitido pecado, de roubo, sonegação de impostos, etc? (Ef 4. 28)
4° Tem cobiçado  (marido / esposa alheio(a), roupa, casa, bens, emprego, carro, etc.). (Ex 20. 17) 
5° Tem se prostituído, se masturbado, tido pensamentos impuros, traído seu cônjuge, fornicado? (Imoralidade Sexual). (1Co 6. 9, 10) 
6° Tem sido grosso no falar, respondão, falador, maledicente, brigão? (Cl 3. 8, 9) 
7° Tem sido sensual, indecente, defraudador? (1Co 6. 18) 
8° Tem tratado o cônjuge e os filhos com violência, com espancamento? (Ef 4. 31, 32)
9° Tem sido glutão, insubmisso, rebelde, desobediente? Não importa o que você fez, Deus quer mudar a historia da sua vida. 

Muitos são doentes no físico por causas de problemas na alma (Sl 32. 3). Só conseguimos ser totalmente curados, libertos e transformado se confessarmos tudo para o Senhor. Não podemos confessar pela metade, nem confessar os pecados de só um tempo da nossa vida. temos que confessar todas as coisas que fizemos e entristeceu o Espirito Santo, temos que nos lembrar sempre que temos uma aliança com Cristo.

O processo do arrependimento começa através de um quebrantamento diante da presença de Deus: sentimos dores profundas por havermos ofendido ao Pai. Não se trata de remorso, trate-se de um sentimento interior, de um coração impulsionado a dar a volta, a retornar o caminho correto de acordo com a vontade do Pai, tal como fez o filho pródigo. 
.............


sábado, 21 de outubro de 2017

Três Coisas Que Faltam na Terra


Oseias 4:1 - Israelitas, ouçam a palavra do Senhor, porque o Senhor tem uma acusação contra vocês que vivem nesta terra: "A fidelidade e o amor desapareceram desta terra, como também o conhecimento de Deus.

Nos dias do profeta Oseias, o Senhor notificou aos filhos de Israel três coisas essenciais que faltavam entre os habitantes da terra: verdade, amor e conhecimento de Deus. Acredito que esta palavra pode ser contextualizada para os nossos dias, e com base nisto, nós vamos aprender sobre estas três coisas que também faltam em nossos dias.


O Amor

A primeira coisa que falta na terra é o amor. O amor é considerado o maior de todos os dons (Co 13.13). Quando percebemos em nossos dias filhos matando pais, pais matando filhos, pessoas tirando a vida de outras por causa de coisas tão pequenas e banais, torna-se algo bem perceptível que a falta de amor é algo muito comum e grave neste mundo. Em Jo 5.42 O próprio Jesus denunciou a grande falta de amor nos seus dias, dizendo aos seus opositores: "mas bem vos conheço, que não tendes em vós o amor de Deus". E, em Jo 13.35, Jesus ainda disse aos que o seguiam: " Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros". 
Em Rm 13.10 Paulo escreveu: "O amor não pratica o mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da lei". E João lembrou: "Deus é amor" (Jo 4.8). 

A Verdade

A segunda coisa que falta na terra é a verdade. A verdade implica transparência e exatidão em relação aos fatos. Em 2Co 13.8 Paulo afirma que "nada podemos contra a verdade, senão pela verdade". Quando percebemos a falta de verdade e de transparência das pessoas em nossos dias, chegamos a conclusão de que falta mesmo a verdade na terra.
Em Pv 23.23 O sábio Salomão escreveu: "Compra a verdade e não a vendas; sim, a sabedoria, e a disciplina, e a prudência". 
Em Dt 32.4, Moisés escreveu: "Deus é a verdade, e não há nele injustiça". Em Jo 14.6, Jesus afirma que Ele é a verdade. Em Jo 14.17, vemos que o Espirito Santo é o "Espirito da Verdade". Em Jo17.17, Jesus diz que a palavra de Deus é a verdade.

O Conhecimento de Deus   

A terceira coisa que falta na terra é o conhecimento sobre Deus. Em Mt 22.29, Jesus disse: "Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus". Quando percebemos a excessiva busca pelo conhecimento científico, tecnológico, filosófico, cibernético e tantos outros tipos de conhecimento e menos interesse pelo conhecimento sobre as coisas de Deus, chegamos à conclusão de que falta o verdadeiro conhecimento às pessoas.
Em Os 4.6 o Senhor fala por meio do profeta Oseias, dizendo "Meu povo foi destruído por falta de conhecimento"
Em Rm 1.28. Paulo afirma: "Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam". E em Cl 1.9, Paulo ainda diz que devemos transbordar do pleno conhecimento da vontade de Deus, "em toda a sabedoria e inteligência espiritual". 

Conclusão 

Ainda que falte amor às pessoas, Deus amou o mundo de uma maneira imensurável e inexplicável (Jo 3.16). Ainda que falte o conhecimento de Deus às pessoas, Cristo veio revelar o verdadeiro conhecimento que liberta o homem da ignorância espiritual.  


quarta-feira, 12 de julho de 2017

Os Valentes de Guerra


"Preparai a guerra, suscitai os valentes. Cheguem-se todos os homens de guerra, subam eles todos." (Jl 3:9.)

O homem de Deus deve treinar a sua capacidade de depender do Senhor em tudo, permitindo que a sua alma seja próspera. A Bíblia diz que assim como pensa o homem, assim é a sua alma (Pv 23:7).
Gideão tinha um exército numeroso, mas não foi à maioria que venceu o adversário; foram vencedores apenas os valentes, os que creram e obedeceram. Se a maioria tivesse acreditado em Gideão ele conquistaria muito mais, porém o Senhor ungiu trezentos valentes que conquistaram poderosamente os midianitas. "Disse ainda o Senhor a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam a água vos livrarei, e entregarei os midianitas na tua mão; mas, quanto ao resto do povo, volte cada um ao seu lugar." (Jz 7:7.)

Davi também tinha os seus valentes em sua equipe; homens de guerra, adestrados para tomar cidades e fortalezas (1 Cr 11:10-12). Hoje Deus convoca os Seus valentes, não mais para uma guerra física, pois a nossa luta não é contra carne e o sangue, mas contra principados e potestades, contra as hostes espirituais da maldade deste mundo tenebroso (Ef 6:12).

Nos valentes de Deus, duas coisas são fundamentais:

1.         SER UM HOMEM DE CARÁTER IRREPREENSÍVEL

Para alguém ter um bom caráter, não precisa necessariamente ser crente. Existem muitas pessoas que não são crentes, mas têm uma vida digna, desempenham com excelência sua função no lar, são amigos, honram seus compromissos, cumprem suas obrigações sociais, etc. Porém, não são crentes! Neles detectamos um comportamento de homem sadiamente instruído; são valentes seculares, aos quais Deus, por ser justo, derrama bênçãos, pois eles guardam princípios. "Porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos." (Mt 5:45.)

Porém, se você é um filho de Deus, obrigatoriamente deve ter um caráter irrepreensível, uma vida de modelo e de testemunho, uma conduta da qual nem homens, nem o adversário da sua alma tenham como acusá-lo. "A noite é passada, e o dia é chegado; rejeitemos, pois, das obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. Andemos honesta¬mente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em orgias e dissoluções, não em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências." (Rm  13:12-14.)

Nascemos de novo. Temos hoje, dentro de nós, a natureza de Deus. "Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (2 Co 5:17.) Devemos ser exemplo e refletir a imagem de Deus em nossa vida.
E de suma importância que cada membro da Igreja de Jesus esteja consciente do seu papel, e viva como um verdadeiro homem de Deus, sabendo que, para nos mantermos íntegros, apenas duas coisas nos ajudarão: uma boa formação de conduta ética e o temor do Senhor em nosso coração. "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria." (Pv 9:10.)

2.         SER UM HOMEM SANTO

A Bíblia nos instrui: "Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor" (Hb 12:14). Sabemos que só podemos ser santos se tivermos, de fato, nascido de novo, recebendo a natureza do Pai. "Como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento." (1 Pe 1:15.) A santidade nos dá maior convicção de que não somos mais deste mundo; estamos aqui, mas não somos daqui (Jo 17:16). Porém, o que nos levará a uma consciência mais profunda, como um valente de Deus, é a viva compreensão de que somos um vaso de santidade e honra. "Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra." (2 Tm 2:21.)

Nós estamos vivendo um momento ímpar de conquistarmos um território, e faremos isso sem nos contaminarmos com o banquete de Nabucodonosor (Dn 1:8). Deus escreverá a sentença contra o adversário e nós estaremos vivendo a vitória. "Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus; e o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem a outros. Sofre co¬migo como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum solda¬do em serviço se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra." (2 Tm 2:1-4.)

Nossa conquista como Valentes de Deus somente acontecerá se preservamos a santidade. Duas coisas nos levarão à santidade: a primeira é submetermo-nos às promessas de Deus e à Sua Palavra, vivermos por ela. "Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade." (Jo 17:17.) A segunda é: obedecermos para prosperar. "Ouvi-me, ó Judá e vós moradores de Jerusalém! Crede no Senhor, e estareis seguros; crede nos profetas e prosperareis." (2 Cr 20:20.) Assim é o valente de Deus: submete-se à Palavra e é completamente firmado nela.

Gostaria de elucidar algumas características de um valente de Deus, tomando como exemplo o Rei Davi, um homem usado por Deus para restaurar Jerusalém.

HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS

Davi resolveu ser um homem segundo o coração de Deus. Ele foi provado, mas o Senhor o aprovou e lhe entregou os reinos da terra. Tornou-se um valente valoroso, conquistou todos os seus territórios.
Hoje, muitas pessoas querem conquistar interessados no fortalecimento do seu reino particular, esquecendo-se dos compromissos firmados, não andando na luz, estando fora do conselho do justo, contaminando-se com feitiçarias que são abomináveis aos olhos do Senhor. Porém, Deus levantará homens, nessa geração, segundo o Seu coração, para conduzir o nosso povo com um cajado seguro.

HOMEM SEGUNDO O PROPÓSITO DE DEUS

"Conduziu-me para um lugar espaçoso; livrou-me, por¬que tinha prazer em mim." (2 Sm 22:20.) O propósito de Deus se cumprirá, ainda que alguns não concordem. Deus é soberano o suficiente, em todas as coisas, para mover o quê e quem ele quiser; Ele pode mover o coração do rei tanto para a direita, quanto para a esquerda; Ele pode transformar maldição em bênção e extrair das trevas a luz. "Disse Daniel: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque são dele a sabedoria e a força. Ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; é ele quem dá a sabedoria aos sábios e o entendimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz." (Dn 2:20-22.)

HOMEM SEGUNDO A VONTADE INTEGRAL DO SENHOR

Deus deu a Davi a capacidade de escolha. Ele poderia ser um rei que legislasse em causa própria. No entanto, Deus ministrou ao seu coração uma consciência profunda de ser exatamente o que Ele queria que Davi fosse. Hoje, dentro da história secular e hebraica, Davi é considerado um dos reis mais bem-sucedidos de todos os tempos e o seu nome é sinônimo de adorador e restaurador.
O ofício de administrar não é fácil, pois não é preferência, é vocação. Se não houver vocação, vem a corrupção. Davi fez a vontade integral do Senhor; tornou-se um valente de Deus, e nessa consciência política monárquica fez o resgate do povo, dos reinos e do crédito profético (SI 18:17,18,43,50).

Nessa consciência, como um valente de Deus, Davi recebeu a unção de restauração, e tudo aquilo que estava quebrado no seu reino foi restaurado: a família, o reino, a adoração, a consciência política para sair do reino da guerra e entrar no reino da paz.

O reino de Davi foi de guerra; o reino de Salomão, de paz entre os povos. O nosso desejo é que o Senhor nos faça valentes para termos grandes conquistas no plano espiritual e vencermos todas as forças opositoras das regiões celestiais. Como valentes de Deus, vamos caminhar com uma mão na obra e outra na arma. "Os que estavam edificando o muro, e os carregadores que levavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a sua arma." (Ne 4:17.) 

E tempo de tomarmos a nossa arma, a espada, que é a Palavra de Deus confessada com convicção. Se estivermos convencidos, convenceremos. É melhor obedecer do que sacrificar (1 Sm 15:22). O nosso povo está há décadas debaixo de um jugo. Se você respeita a si mesmo, a sua família e a sua geração, busque a Deus para que Ele fale ao seu coração. Todas essas características, que estão na Palavra, apontam para que você saiba que o Senhor vai realizar muito mais do que o que pedimos e pensamos quando somos os valentes de Deus (Ef 3:20).